Empresas de Reciclagem Marília, São Paulo

Encontre endereços e telefones de Empresas de Reciclagem em Marília. Aproveite para obter dicas e mais informações sobre o assunto em nossos artigos com tutoriais.

Galatta - Ferros e Motores Elétricos Ltda -me
(11) 4743-2091
r Ernesto Joaquim de Souza, 600, Ch Primavera
Suzano, São Paulo

Dados Divulgados por
COOPERMA - Cooperativa de Trabalho dos Profissionais de Reciclagem de Materiais de Mauá
(11) 4544-1302
r Édson Erasmo da Silva, 45, Vl Carlina
Mauá, São Paulo

Dados Divulgados por
Parque Bitaru
(13) 3235-9334
r Cochrane,Dr, 109, Paquetá
Santos, São Paulo

Dados Divulgados por
Lucente Comércio de Materiais Recicláveis Ltda
(16) 3626-3200
r João Ribeiro, 1138, Campos Elíseos
Ribeirão Preto, São Paulo

Dados Divulgados por
Evolve Gestão Empresarial
(11) 4195-0510
al Rio Negro, 1030, An 17 Sl 1704, Alphaville Indl
Barueri, São Paulo

Dados Divulgados por
Sucatão Santo Antônio
(11) 3683-2658
av Antônio,Sto, 1604, Vl Osasco
Osasco, São Paulo

Dados Divulgados por
Reciclagem Rodrigues
(17) 3237-8305
r Pequeno Empreendedor, 45, Jardim Antunes
São José do Rio Preto, São Paulo

Dados Divulgados por
Lumavale Comércio de Metais e Sucatas Ltda
(12) 3931-1000
r Penedo, 220, Cj Res 31 de Março
São José dos Campos, São Paulo

Dados Divulgados por
Opersan Serviços Ambientais Ltda
(11) 4492-4602
av Antonieta Piva Barranqueiros, 280, Ch Aeroporto
Jundiaí, São Paulo

Dados Divulgados por
Dutrafer
(12) 3905-5200
r Gonçalves,Cel, 300, E Mello
São José dos Campos, São Paulo

Dados Divulgados por
Dados Divulgados por

Empresas de Reciclagem

Fornecido por: 

Querido, estou indo ao supermercado", ela avisa ao marido, que assiste TV na sala. Márcia Ferreira tem 47 anos e uma longa carreira como dona de casa. Todo começo de mês, assim que o salário do marido entra na conta bancária do casal, ela trata logo de ir ao supermercado. "Sei que hoje as coisas não sobem de preços como antigamente, mas o hábito dos tempos de inflação acabou ficando", conta ela, atravessando a rua, a caminho do mercado mais próximo. Se alguns hábitos não mudam, novos vão sendo agregados ao cotidiano de Dona Márcia com o passar do tempo. Há alguns meses, ela passou a levar sua própria sacola para trazer os mantimentos para casa. "Se aos sábados, quando eu ia à feira de rua aqui do bairro eu levava a minha sacola, por que não fazer o mesmo no supermercado?", questiona.

A idéia veio de longe. A filha de uma vizinha da Márcia morou na Europa por um tempo e, em um bate-papo, desses de fim de tarde, comentou com ela que em alguns países europeus era comum as pessoas levarem sacola de casa para os supermercados, como uma forma de preservar o meio ambiente. "Decidi que faria o mesmo", conta Márcia Ferreira.

Aqui, no Brasil, são produzidas 210 mil toneladas anuais deste plástico, o que já representa quase 10% de todo o lixo do País. Nada biodegradáveis, levam séculos para se decompor na natureza

Com a mão indecisa entre os frascos de xampu de diferentes marcas da prateleira, Dona Márcia explica um pouco mais: "Eu não fiz faculdade. Sempre fui mãe, esposas e dona de casa. Mas sempre me preocupei em fazer o que faço da melhor forma possível, sabe?". Márcia conta que há muito tempo já reutilizava os sacos plásticos que a ajudavam a levar as compras para casa. Após guardar tudo nos armários da cozinha, a tarefa seguinte era enrolar cuidadosamente os saquinhos brancos e colocá-los no "puxa-saco", para servir como sacola de lixo ao longo do mês.

"O problema é que, lá em casa, mesmo a família não sendo muito pequena (marido e três filhos), não juntamos muito lixo. As crianças já estão crescidas e quase não param em casa. Aí percebi que estava juntando mais sacolas que lixo, e tendo até que jogar algumas fora", explica. "Decidi que era melhor ir duas ou mais vezes ao supermercado no mês a poluir ainda mais o planeta com tanto plástico."

As sacolas plásticas de supermercado, padaria, videolocadora, farmácia e outros tantos estabelecimentos comerciais têm como matéria-prima o plástico filme, feito de uma resina sintética origin...

Clique aqui para ler este artigo no Veste Moda