Loja de calçados Porto Alegre, Rio Grande do Sul

Encontre endereços e telefones de loja de calçados em Porto Alegre. Aproveite para obter dicas e mais informações sobre o assunto em nossos artigos com tutoriais.

Alimel Confeccoes Ltda.
(51) 3212-6853
r Voluntários da Pátria, 327, Centro
Porto Alegre, Rio Grande do Sul

Dados Divulgados por
Confeccao e Comercio Alegransi Ltda
(51) 3028-3857
av Cristóvão Colombo, 545, Suc 1208, Floresta
Porto Alegre, Rio Grande do Sul

Dados Divulgados por
A L Rousselet Comercio de Confeccoes
(51) 3246-0080
av Juca Batista, 1490, Cs 38, Cavalhada
Porto Alegre, Rio Grande do Sul

Dados Divulgados por
A Doce Lua Comercio e Decoracao Limitada-me
(51) 3337-1735
av Cristóvão Colombo, 2185, Lj 18, Floresta
Porto Alegre, Rio Grande do Sul

Dados Divulgados por
Lojas Riachuelo S/A
(51) 3406-5100
av Túlio de Rose, 80, Passo D'Areia
Porto Alegre, Rio Grande do Sul

Dados Divulgados por
C&A Modas Ltda
8009-90330
r Andradas, 1620, Centro
Porto Alegre, Rio Grande do Sul

Dados Divulgados por
Casa Verde Comercio Varejista Ltda
(51) 3333-4176
r Diogo Feijó,Pe, 628, Navegantes
Porto Alegre, Rio Grande do Sul

Dados Divulgados por
Lojas Marisa
(51) 3254-2800
r Andradas, 1307, Centro
Porto Alegre, Rio Grande do Sul

Dados Divulgados por
Cleide Maria Bazotti Comercio e Confeccoes Me
(51) 3023-5601
av Cristóvão Colombo, 545, Lj 1057, Floresta
Porto Alegre, Rio Grande do Sul

Dados Divulgados por
Cadija Confeccoes e Calcados Ltda
(51) 3028-5981
av Cristóvão Colombo, 545, Lj 2085, Floresta
Porto Alegre, Rio Grande do Sul

Dados Divulgados por
Dados Divulgados por

Loja de calçados

Fornecido por: 

Depois da volta da saia balonê e do jeans de cintura alta, outro clássico oitentista ensaia um revival. O retorno fashion da vez fica por conta das galochas, que estão fazendo a cabeça, ou melhor, os pés, da turma descolada.

Mas apague desde já da memória aqueles modelos caretinhas de plástico, que eram presença certa nos guarda-roupas infantis nos anos 80. As novas galochas contam com estampas ultracoloridas, material nobre e até são assinadas por grifes de luxo, como a Burberry, Marc Jacobs e Courrèges.

A mania das galochas começou em Londres, durante os grandes festivais de música. Para enfrentar a chuva e a lama que assolava as maratonas musicais, os jovens britânicos começaram a usar o calçado, normalmente utilizado mineradores e funcionários de limpeza.

De olho na tendência, marcas destinadas ao público jovem lançaram modelos com estampas variadas, que rapidamente caíram no gosto do público.

A loja paulista Lita Mortari importou alguns modelos com as famosas estampas do estilista italiano Emilio Pucci, que em apenas dois meses sumiram das prateleiras. “As compradoras tem um perfil mais dinâmico, vanguardista”, explica a estilista da marca, Elza Bastos.

Além de dinâmica e vanguardistas, as meninas que se encantaram pelas galochas Pucci também são abastadas: cada modelo sai por R$ 890.

Terra da garoa

Aqui não é a terra da garoa? Então faz todo sentido usar galocha”, explica a estudante paulistana Caroline Arruda de Sá, de 16 anos, que comprou sua bota plástica com estampa de oncinha da marca americana Chooka pela internet.

Quando apareci com ela na escola, todo mundo tirou sarro. Falaram que era a galocha da viúva Porcina”, conta Caroline. “Mas agora tenho um monte de amigas que estão usando”, garante.

Assim como a estudante, as marcas brasileira perceberam o potencial das galochas fashion com a garotada e já soltaram na vitrine suas versões nacionais.

A grife carioca Farm foi direto na fonte. Em parceria com a marca Sete Léguas – que lá nos anos 80 produzia os modelos infantis e industriais – lançou uma galocha com estampa para lá de psicodélica.

O tema da nossa coleção de verão era ‘A fábrica’. A galocha foi uma peça-conceito, feita em edição limitada. Não esperávamos que fosse fazer tanto sucesso com as meninas”, conta Renata Benveniste, estilista de acessórios da marca.

Com que roupa

Incorporar o brilho do plástico e as estampas berrantes das novas galochas é tarefa que exige boa dose de bom-senso. “A produção pode fic...

Clique aqui para ler este artigo no Veste Moda